agosto 2019 - soGi - Sistema Online de Gestão Integrada
×

Qual a relevância da ISO 45001 para a organização?

A ISO 45001 visa, exatamente, ajudar as empresas a repensarem seus processos, a fim de reduzir doenças ocupacionais e acidentes, proporcionando assim, um ambiente seguro e saudável para seus colaboradores e visitantes.

De acordo com Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima-se que a cada ano 374 milhões de pessoas sejam lesionadas ou sofram doenças não fatais relacionadas ao ambiente de trabalho (sendo que destas, 2.78 milhões vão a óbito).

A substituição do OHSAS

Qual a relevância da ISO 45001 para as organizações?

A ISO 45001 surgiu em março de 2018 para substituir o OHSAS — sigla em inglês para Occupational Health and Safety Assessment Series, que em tradução livre seria o já conhecido Sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional (SSO). O OHSAS consiste numa série de normas britânicas, desenvolvidas pelo BSI Group, de orientação para a formação de um sistema de gestão da saúde e segurança do trabalhador.

Todas as empresas que já adotam o OHSAS devem migrar para a ISO 45001, e terão o prazo de três anos para realizar a substituição e adequação, contando a partir da data de publicação da ISO 45001 (12 de março de 2018).

A ISO 45001 é uma boa diretriz para montar um plano de identificação de riscos e perigos. No entanto, deve-se atentar ao fato de que a versão mais recente da Norma não trabalha mais com ações preventivas, e sim ações corretivas. Mas embora não haja foco em prevenção propriamente dita, a Norma define padrões da metodologia de trabalho, o que por sua vez também funciona para evitar acidentes ou lesões ocupacionais.

OHSAS e ISO 45001: o que mudou de fato?

OHSAS e ISO 45001: o que mudou de fato?

A ISO 45001 facilita bastante a integração do Sistema de Saúde e Segurança Ocupacional (SSO) quando combinada à ISO 9001 e à ISO 14001 (sobre as quais já apresentamos um tutorial de implementação), mas também pode ser implementada sozinha — e é uma das Normas mais importantes a se adotar no ambiente laboral.

A ISO 45001 possui uma estrutura que se conecta diretamente às outras normas de Sistemas de Gestão, sendo assim, se sua empresa já conquistou um dos selos ISO, não terá dificuldades para se adequar.

Assim como todas as outras Normas, a ISO 45001 também reforça a importância do envolvimento dos líderes da companhia no sistema de gestão de SSO, devendo partir deles o exemplo máximo na prevenção de lesões e problemas de saúde relacionados ao trabalho, bem como sendo de sua responsabilidade o fornecimento de estrutura para garantir a saúde e segurança de todos.

Também é uma Norma que se concentra no levantamento de perigos e riscos relacionados às atividades exercidas na empresa, focando no registro documental, avaliação e melhoria contínua de todos os processos.

A ISO 45001 na prática

Um Sistema de Gestão da Segurança e Saúde Ocupacional é dos mais importantes, e sua existência é obrigatória em qualquer empresa.

Veja abaixo o passo a passo para conquistar o selo ISO 45001, pois isto não apenas garante um sistema de gestão de SSO eficaz, como também traz reconhecimento internacional e torna a empresa um lugar valorizado pelos seus empregados.

1. Levantamento de perigos e riscos

Significa estudar todos os processos da empresa, bem como o ambiente físico, a fim de avaliar tudo o que precisa ser feito para garantir a saúde/segurança do trabalhador. A varredura deve ser completa. Um simples vaso de plantas mal posicionado pode dificultar a evacuação em caso de emergência, por exemplo.

Eis as áreas que devem ser avaliadas: processos produtivos; máquinas e equipamentos; instalações; layout das áreas de trabalho (inclusive mobiliário); materiais utilizados no ambiente; fatores humanos (comportamento e capacitação dos funcionários); atividades rotineiras e não rotineiras; atividades de terceirizados e visitantes; mudanças de processos, métodos e atividades; requisitos legais e técnicos; situações de emergência.

2. Conscientização

O ser humano tem uma tendência natural a acreditar que um acidente só vai acontecer com os outros, nunca com ele mesmo. E é sob esse pensamento que a diligência normalmente deixa de se fazer presente.

É muito importante conscientizar a todos que normas de segurança e cuidados para com a saúde existem por um motivo importante, não são medidas vazias, que estão ali por pura “implicância” do gestor. Vale adotar todos os recursos possíveis: palestras, cartazes educativos, alertas de segurança. O tratamento de perigos e riscos é dever de todos.

3. Usufrua da tecnologia

Para organizar e padronizar processos, tire pleno proveito da tecnologia. Hoje já temos vários softwares de gestão que auxiliam desde a organização das tarefas ao monitoramento legal da atividade do negócio. É importante também manter um bom controle estatístico a respeito de acidentes de trabalho. Se determinado departamento estiver apresentando problemas frequentes, é urgente descobrir os motivos e tomar as medidas cabíveis.

4. Auditorias internas e externas

Toda organização que pretende conquistar um selo ISO precisará passar por uma auditoria, cuja função será exatamente constatar que todos os requisitos necessários para conquistar a certificação estão sendo cumpridos. Auditorias são a melhor forma de apontar não conformidades e oportunidades de melhorias. São uma fonte excelente para composição da lista de levantamento de perigos e riscos. A auditoria interna vai preparar a empresa para a auditoria externa, aquela que concederá o selo ISO à organização.

Consideração Final

A certificação ISO 45001 reduz custos com seguros, reduz o absenteísmo dos funcionários e a rotatividade dos empregados, evita afastamentos por lesões ocupacionais e garante que a empresa esteja em dia com os requisitos legais relacionados à SSO.

Mas, mais importante do que isso: ela assegura que a organização está cumprindo um de seus maiores deveres, que é zelar pela saúde e pela vida de todos os seus trabalhadores.


Passo a passo para certificação na Norma ISO 37001

Também conhecida como norma anticorrupção ou antissuborno, a ISO 37001 é uma norma internacional que fornece os requisitos e a devida orientação para estabelecer, implementar, manter e aperfeiçoar um sistema de gestão anticorrupção.

Como manter e aperfeiçoar um sistema de gestão anticorrupção?

Seu principal objetivo é combater atos ilícitos por meio da divulgação de uma cultura de integridade, transparência e conformidade junto às leis e regulamentações aplicáveis.

A norma ISO 37001 institui o combate ao suborno praticado tanto contra uma organização e seus funcionários, como em favor destes. Também é aplicada para combater os subornos praticados e recebidos por terceiros, ligados direta ou indiretamente à organização. Ela pode ser instituída em qualquer organização e, atualmente, diante de tantos escândalos empresariais pipocando no cenário brasileiro, funciona como um diferencial.

Embora sua simples existência não tenha como garantir a erradicação do suborno, ela representa um belo apoio na implementação de medidas eficazes para preveni-lo e reduzi-lo ao máximo. Ao implementar a ISO 37001, a organização demonstra sua preocupação em respeitar a legislação e seu compromisso no combate à corrupção. E do ponto de vista empresarial, agir de acordo com a lei é uma questão de sobrevivência.

A ISO 37001 na prática

A norma ISO 37001 substitui a BS10500 (que também se trata de um Sistema de gestão Antissuborno), com a diferença de que a ISO 37001 adota a mesma estrutura das Normas de Sistemas de Gestão da ISO, fazendo assim com que ela se torne compatível aos vários Sistemas de Gestão ISO, o que facilita sua implantação pelas organizações.

Como implementar ISO 37001

para estar em compliance é preciso trabalhar a conformidade de forma multilateral e aliar conhecimento normativo aos processos de gestão.

Se a corrupção já aconteceu. Em geral, muitas organizações só procuram adotar um sistema anticorrupção depois que o problema já foi constatado. Se a empresa já identificou processos de corrupção em seu ambiente, mas deseja realmente mudar, é recomendável então realizar uma reestruturação completa, a qual inclui até mesmo vender ativos para quitar dívidas.

Se necessário, deve-se realizar a renovação total do quadro de gestores e, em casos muito graves, modificar o nome fantasia, fazendo o possível para deixar claro para o mercado que houve renovação e que a intenção é ser o mais transparente possível. Todo e qualquer suspeito de envolvimento em desvio de conduta deve ser imediatamente afastado do comando; se necessário, aumente o quadro de conselheiros independentes na banca administrativa.

A prática é tão importante quanto a teoria. Embora muitas empresas possuam seus códigos internos de ética — e algumas até mesmo já tenham adotado programas de compliance estruturados —, é preciso ficar bem claro que as medidas anticorrupção não podem ser apenas uma determinação “de papel”. As regras precisam ser instituídas e cumpridas fielmente.

Canal de denúncias. Institua um canal de denúncias anônimas, preferencialmente terceirizado para garantir a transparência. Mas o canal não pode ser apenas um “enfeite”. Se houver uma denúncia real de corrupção, esta deve ser devidamente investigada. E sendo constatada, os responsáveis pela corrupção devem ser punidos.

Departamento de compliance. Se necessário, crie um departamento específico para gerir questões de compliance. Ele deve ter status de diretoria a fim de impor respeito e demonstrar que o exemplo vem de cima. Não adianta a empresa divulgar seu canal de denúncias, por exemplo, se sua alta cúpula realizar pagamentos de propinas às escondidas para disputar uma licitação.

Revisão de processos. A empresa deve revisar todas as suas normas e procedimentos internos. Às vezes o simples recebimento de brindes de fornecedores pode estar causando pequenos atos de corrupção no dia a dia. Falando nisso, deve-se também reavaliar a lista de fornecedores, mantendo-se apenas aqueles comprovadamente idôneos.

Envolvimento de todos. Todos os colaboradores devem ter ciência sobre a importância da transparência e idoneidade em seu trabalho. A empresa pode desenvolver um programa de prevenção à corrupção e incluir todos os departamentos. Não tenha medo de ser básico nos ensinamentos.

Auditorias. Empresas que não têm nada a esconder, não temem auditorias. Realize auditorias anuais, principalmente no que diz respeito a questões financeiras. Lembrando que nenhuma empresa conquista o selo ISO se não for aprovada em auditoria externa.

Um caso sobre Compliance

A Papermate, empresa norte-americana fabricante de canetas, já constatou em pesquisa anônima que 100% dos entrevistados admitiram já ter surrupiado uma caneta do trabalho.

Estima-se que os prejuízos econômicos causados por esses “pequenos furtos” estejam avaliados em centenas de bilhões de dólares anualmente — impactando numa redução de até 35% do inventário de uma empresa anualmente (ou uma média de 1,4% de suas receitas totais).

A imagem é o bem mais caro de uma empresa. Uma vez que sua reputação se flagrar manchada por possíveis esquemas de corrupção, haverá grande desconfiança por parte do mercado, fato que afeta diretamente na rentabilidade de uma organização. As companhias envolvidas em escândalos, também apresentam mais dificuldade para levantar recursos: quanto pior a nota na classificação de risco de uma companhia, mais altos serão os juros do crédito, concedido a ela.

Benefícios da ISO 37001

A certificação ISO 37001 ajudará a sua organização a implementar ou melhorar controles de combate ao suborno, reduzindo ou até extinguindo a ocorrência deles. Além disso, demonstrará publicamente que trabalha com as melhores práticas da indústria, ganhando vantagem ante a concorrência.

Além disso, em caso de investigação criminal, a certificação ISO 37001 servirá como garantia de que sua organização tomou medidas para prevenir a corrupção, o que pode garantir proteção do Ministério Público por constatação da prática da boa fé.

Tolerar a política de corrupção dentro de uma empresa é completamente perigoso para qualquer organização que queira conquistar o crescimento sustentável do seu negócio.  E importantíssimo: sem um firme combate à corrupção, não há como aplicar nenhuma das outras normas ISO.


PARA SABER MAIS SOBRE COMPLIANCE NA PRÁTICA, FAÇA SUA INSCRIÇÃO E PARTICIPE DO CURSO ONLINE, TOTALMENTE GRATUITO!

Como usar o SOGI “PRSSO” para implementar ações em saúde e segurança?

Nenhum indivíduo é capaz de levar uma vida tranquila e plena se não gozar de boa saúde, e esta máxima, vale principalmente para o ambiente de trabalho, local onde a maioria de nós passamos parte considerável do nosso dia.

Por isso é essencial que toda empresa implemente em sua gestão ações voltadas à saúde e segurança ocupacional, não apenas para cumprir a legislação vigente, mas também para proporcionar o melhor ambiente a seus colaboradores.

Por que implementar ações em SSO na sua Gestão?

Saber como implementar na sua Gestão ações que contribuam na identificação de Perigos e Riscos à Saúde e Segurança Ocupacional (PRSSO) é o primeiro passo para busca de melhoria nos processos e principalmente na qualidade do que você faz.

Abaixo, elegemos alguns pontos importantes para àqueles que buscam pela Implementação de um Programa em Perigos e Riscos de Saúde e Segurança Ocupacional que possam gerar resultados palpáveis.

1 – Crie uma Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA)

Conforme estabelecido por lei, a CIPA se faz necessária em empresas que tenham mais de 20 funcionários ou que exerçam atividades perigosas. Em todo caso, é sempre interessante contar com a ajuda dessa comissão, que estará atenta quanto à segurança e saúde de todos os colaboradores e poderá auxiliar na realização de eventos pontuais para informar sobre a importância da prevenção de acidentes e cuidados com a saúde.

Em caso de dúvidas sobre como implementar o modelo, busque a NR 5, norma responsável por reger a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes.

2 – Envolva todos os funcionários

Para implementar um bom sistema de gestão em SSO é preciso envolvimento de 100% dos trabalhadores da organização. A prevenção de acidentes é uma responsabilidade de todos.

O excesso de confiança, a negligência, a imprudência e a imperícia estão entre as maiores causas de acidentes no trabalho. Quer um exemplo? Quando passar diante de algum canteiro de obras na sua cidade, experimente observar os operários que ali estão trabalhando. Todos usam EPI? Aqueles que estão no alto da obra estão presos por cintos ou cordas? Uma breve busca no Google nos mostra que quedas de trabalhadores de grandes altitudes não são nada incomuns.

E muitas vezes, esse tipo de acidentes ocorre devido ao excesso de confiança, porque muitos operários simplesmente confiam que jamais vão cair.

3 – Forneça condições adequadas

É preciso mais do que apenas conscientizar as equipes, se a empresa não fornecer condições adequadas para o cumprimento de todas as normas de segurança. É obrigação das organizações fornecer os EPIs e EPCs em estado adequado, e tomar algumas medidas rotineiras, como a análise das condições físicas dos ambientes laborais, estudos de ergonomia, a identificação e mitigação de perigos e riscos, etc.

4 – Atenção à legislação vigente

Quanto mais Normas Regulamentadoras, o sistema de gestão de SSO atender, mais completo ele será. Além disso, é preciso que as organizações cumpram os prazos legais à risca, até mesmo para evitar multas e custos desnecessários.

Lembrando também, que a segurança e a proteção à saúde do trabalhador são direitos fundamentais previstos em nossa Constituição brasileira.

Como funciona o Módulo PRSSO do SoGI?

O Módulo PRSSO (Perigos e Riscos da Saúde e Segurança Ocupacional) do SoGI foi desenvolvido pela Verde Ghaia para auxiliar na identificação, avaliação e monitoramento de quaisquer perigos e riscos de acidentes, incidentes e doenças ocupacionais,  sejam eles físicos, psíquicos ou emocionais — e sempre levando em conta o contexto de cada organização.

É um sistema que permite o registro e a avaliação da matriz de perigos e riscos, identificando os principais riscos e avaliando a significância dos perigos e de seus controles operacionais, e a partir daí criando e gerenciando planos de ação voltados para cumprir todas as exigências práticas e legais para assegurar a saúde de seus colaboradores.

Quais são os diferenciais para a sua Gestão?

Conheça alguns diferenciais do Módulo PRSSO – Perigos e Riscos em Saúde e Segurança Ocupacional:

I – Identificação dos riscos e oportunidades dos perigos e riscos da segurança no trabalho (relacionados a cada atividade), bem como a probabilidade, severidade e frequência de cada um;

II – Avaliação automática, plano de controle de revisões, planos de ação integrados à legislação aplicável à empresa;

III – Avaliação da perspectiva do ciclo de vida dos seus perigos;

IV – Interface para visualização de melhorias tais como aumento de produtividade, alterações de processos, produto ou serviços, uso eficiente de EPIs, comunicação interna, programas de conscientização e mais;

V – Separação do maior número possível de riscos gerados (reais e potenciais; benéficos e adversos) decorrentes de cada perigo identificado, e sempre levando em conta se são significativos;

VI – Geração automática de relatórios e gráficos gerenciais;

VII – Envio automático de e-mails com o status dos planos de ação;

VIII – Visualização dos requisitos legais para cada perigo identificado, com acesso às evidências e ações de cada caso.

Considerações importantes para Implementação em SSO

Quando colaboradores gozam de boa saúde e se sentem seguros em seu ambiente laboral, eles certamente trabalham mais felizes e produzem com mais qualidade. Além disso, uma empresa atenta ao seu Sistema em SSO sempre estará em conformidade e apresentará condições mais favoráveis para conquistar os selos ISO referentes à segurança e à saúde ocupacional.

Enfim, um bom sistema de gestão de SSO só traz benefícios para e organização, gerando redução de custos, retenção de talentos e valorizando um bem importantíssimo que é o capital humano.

Não se esqueça: funcionários saudáveis, empresa saudável.


Conheça a funcionalidade da ferramenta PRSSO do SOGI na prática. Agende uma apresentação com um dos nossos consultores.

Como atender às exigências técnicas das Licenças e monitorar Condicionantes?

A Licença Ambiental é o instrumento administrativo exigido pelo Poder Público e que tem como objetivo a verificação da viabilidade de um empreendimento.

Sua finalidade primordial é proteger a qualidade do meio ambiente, buscando ao máximo controlar, compensar, evitar, diminuir (ou até mitigar) os impactos decorrentes da implantação e das operações de um empreendimento.

Medidas para prevenção e compensação dos Impactos Ambientais?

Medidas para prevenção e compensação de Impactos Ambientais

Boa parte das medidas de prevenção e compensação de impactos ambientais se dá através das Condicionantes que são “cláusulas do ato administrativo emitidas pelos órgãos públicos competentes, cujo objetivo é conformar, controlar e adequar um empreendimento aos desígnios legais de proteção, conservação, melhoria e uso sustentável dos recursos naturais”.

Em resumo, as condicionantes ambientais são os compromissos que o empreendedor assume junto aos órgãos ambientais para obtenção e manutenção de toda as licenças para seu funcionamento, garantindo assim a conformidade e a sustentabilidade ambiental do negócio.

Cuidar do meio ambiente faz parte da boa conduta empresarial, sendo esse aspecto de suma relevância na Governança Corporativa (conjunto de processos, costumes, políticas, leis, regulamentos e instituições que regulam a maneira como uma empresa é administrada), por isso muitas empresas têm buscado investir em um Sistema de Gestão Ambiental (SGA) eficaz. Este acaba sendo um diferencial competitivo, afinal é praticamente inaceitável que uma empresa não vise o bem-estar ambiental (que por sua vez reflete positivamente na sociedade).

No entanto, não basta apenas implementar o Sistema de Gestão Ambiental. É necessário monitorá-lo, de forma que o cumprimento de todas as leis e condicionantes ambientais pertinentes ao negócio seja garantido. Em outras palavras: o SGA deve representar um compromisso da empresa para com o meio ambiente. Quando a empresa solicita uma licença ambiental aos órgãos competentes, a licença não deve ser vista apenas como resultado de um processo, como um mero passo burocrático a ser cumprido numa etapa no trabalho; o envolvimento deve ser genuíno.

Cumprimento de Leis e Licenças

O cumprimento e a renovação de licenças estão vinculados diretamente ao cumprimento e à validação das condicionantes — as quais muitas vezes possuem prazo e especificações técnicas definidas, e que por isso exigem atenção do gestor o tempo todo.

Se a empresa X precisa renovar a licença, por exemplo, a que permite o manejo de resíduos sólidos, ela também precisa assegurar que seu sistema de gestão ambiental esteja ativo. Caso contrário acumulará meses de má gestão e muito provavelmente não conseguirá renovar a licença. Seria o mesmo que passar seis meses sem limpar uma casa, de repente receber a notícia de que um visitante está chegando e aí tentar fazer toda a faxina acumulada em um único dia. Simplesmente não dá certo!

Sendo assim, não basta implementar um Sistema de Gestão Ambiental que se limita ao papel, é precisa realizar um controle diário. Só que controlar leis e condicionantes não é tão simples quanto limpar uma casa que necessita de faxina.

Como controlar as Licenças e Condicionantes com destreza?

Como controlar as Licenças e Condicionantes com destreza?

O módulo de Licenças e Condicionantes do SOGI existe exatamente para facilitar o monitoramento de exigências técnicas de licenças e condicionantes. É uma ferramenta que ajuda o usuário a garantir a renovação de suas licenças e a evitar penalidades dos órgãos fiscalizadores. Conheça algumas de suas funcionalidades:

1 – O módulo de Licenças e Condicionantes do SOGI possui um banco de dados contendo mais de 110 mil leis.

2 – O gestor também pode inserir as licenças e condicionantes pertinentes à sua gestão (bem como acessar todo o histórico a qualquer tempo); 

3 – Controle de prazos de renovação de todas as licenças;

4 – Espaço para montar planos de ação e monitorá-los regularmente;

5 – Monitoramento de licenças, alvarás, autos de vistoria do Corpo de Bombeiros, outorgas, manejo florestal e termos de ajustamento de conduta

6 – Espaço para criação de uma listagem de documentos inter-relacionados;

7 – Espaço para definição de ações preventivas, corretivas e emergenciais, podendo também nomear os responsáveis por cada ação e os respectivos prazos para que todas elas sejam cumpridas;

8 – Recebimento de notificações sobre os prazos e ações por e-mail e/ou pelo painel de pendências presente no sistema.

Dentro desta funcionalidade, é possível definir a periodicidade dos alertas, sendo avisado sobre a renovação de licenças, entregas de relatórios às autoridades ou as condicionais específicas com prazo. Deste modo a empresa nunca perde um prazo!

9 – Acompanhar cada um dos processos através de relatórios e gráficos gerenciais.

Quais as vantagens de usar o Módulo do SOGi para controle?

Depois que todas as informações necessárias estiverem inseridas no sistema, o módulo de Licenças e Condicionantes do SOGI será capaz de oferecer respostas precisas e fundamentais para que as licenças e condicionantes sejam geridas da forma mais produtiva possível. Eis algumas vantagens provenientes dessa gestão organizada:

1 – Prevenção das ocorrências ligadas a perda de prazo, multas e interdições (que podem gerar paralisações temporárias ou definitivas das atividades);

2 – Permissão de organização antecipada da documentação referente a quaisquer condicionantes de uma licença ambiental;

3 – Controle das informações complementares, como possíveis documentos solicitados pelo órgão fiscalizador depois que a empresa protocola o cumprimento das condicionantes;

4 – Verificação de índices de sustentabilidade ou de conformidade legal em relação aos seus concorrentes.

O módulo de Licenças e Condicionantes do SOGI é indicado tanto para pequenas, médias e grandes empresas. É ideal para organizações detentoras de várias unidades, para o ramo construção civil ou mesmo para qualquer atividade que gere muitos impactos ambientais.

Considerações para quem precisa de melhorar o Controle

Empresas que adotam um sistema de Gestão Ambiental são mais bem vistas pelo mercado, pela sociedade e até mesmo por seus concorrentes. A Gestão Ambiental adequada envolve principalmente o cumprimento de todas as leis e condicionantes ambientais, e também enfatiza a sustentabilidade, visando o uso de práticas para reduzir ao máximo o impacto das atividades econômicas sobre os recursos da natureza.


De acordo com o Núcleo de Avaliação de Políticas Climáticas da PUC- Rio, o Brasil é legislação brasileira é uma das mais rigorosas do mundo e coloca o Brasil na liderança mundial em relação à proteção ambiental. [1]

[1] Fonte do estudo do Núcleo de Avaliação de Políticas Climáticas da PUC-Rio.

Como fazer Mapeamento Preventivo no seu Sistema de Gestão?

Quando uma organização está em não conformidade, significa que algum de seus processos está gerando resultados insatisfatórios.
Necessariamente, não precisa ser um defeito óbvio num produto. Pode ser o não atendimento a um requisito legal, uma produção abaixo do esperado, um feedback insuficiente ao cliente, produtos e serviços que não estão à altura dos padrões de qualidade almejados, etc.

Uma organização que não se preocupa com o tratamento das não conformidades pode se deparar com dificuldades para negociar ou prestar serviços a outras empresas, podendo também vir a sofrer multas, sanções, proibições de atuação e até interdição de suas atividades. 

Além disso, hoje, mais do que nunca, o quesito qualidade desponta como uma das particularidades mais relevantes para uma organização se destacar no mercado.

Mapeamento de desvios e Tratamento eficaz das Não Conformidades

Visando melhorias para o sistema de gestão das organizações, a Verde Ghaia desenvolveu o Módulo SOGI TNC, ferramenta útil e muito utilizada por organizações que desejam fazer o mapeamento preventivo de possíveis desvios no processo de gestão.

Em outras palavras, quando uma organização conduz o Tratamento das Não Conformidades com eficácia, significa que ela está em constante busca pela melhoria contínua de todos os seus processos e entregando às partes interessadas o seu melhor produto e/ou serviço. Consequentemente, contribuindo para o crescimento do negócio.

Uma empresa jamais pode ter medo de revisar seus processos com regularidade, e nem tampouco temer corrigir seus erros ou realizar modificações.

Dica: Quando um erro aparece, é sinal de que alguém deseja consertá-lo. Para uma empresa, que visa alcançar a excelência nas questões de qualidade, isto significa uma oportunidade, jamais um percalço.

Como abordar as Não Conformidades?

Veja algumas medidas que podem te auxiliar, diretamente, na abordagem das não conformidades.

1 – Seleção adequada de profissionais para gerir e executar a atividade:

A escolha dos profissionais que vão gerir as não conformidades é muito importante. Eles devem ter pleno conhecimento da atividade exercida e também um bom perfil de relacionamento interpessoal, pois precisam despertar em seus colegas o desejo de melhoria de desempenho, o que nos leva ao tópico a seguir.

2 – Valorização da atividade de gestão:

Muitas vezes, o gestor responsável pela abordagem das não conformidades é visto como um “chato” na empresa, afinal ele é aquele indivíduo que está sempre apontando falhas ou solicitando a revisão dos processos. Este gestor não pode ser visto como um vilão, mas como alguém que está evitando problemas.

É importante instituir a cultura do tratamento das não conformidades, sempre lembrando aos colaboradores que, no médio e longo prazos, a padronização dos processos vai evitar o retrabalho e simplificar as atividades para todos.

3 – Acompanhamento de indicadores de performance:

Para saber qual é o padrão de qualidade que se deseja alcançar, é preciso criar indicadores de performance, que nada mais são do que parâmetros de desempenho e qualidade. No entanto, é muito importante ser criterioso na hora de determinar tais padrões, medindo apenas o que é pertinente. Não adianta listar trezentos indicadores se a empresa não conseguir acompanhar todos eles ou se a maioria se revelar incongruente com as atividades exercidas.

4 – Uso de ferramentas e softwares robustos para monitoramento em tempo real

A melhor maneira de monitorar um processo e seus resultados, é usando um bom software de monitoramento em tempo real.

O Módulo TNC (Tratamento de Não Conformidades) da Verde Ghaia foi desenvolvido exatamente para tornar o processo de gestão das não conformidades muito mais eficaz e estratégico, gerenciando todas as não conformidades relacionadas a processos, produtos e até mesmo auditorias (tanto internas quanto externas) — e possibilitando assim que a tomada de ações corretivas e preventivas seja mais fácil e certeira.

Conheça a Ferramenta que vai ajudar na gestão das suas TNC

É um sistema online, amigável para com o usuário, com visual atrativo e de fácil utilização. Conheça algumas de suas funcionalidades:

I – Criação e gerenciamento de ações imediatas, tanto corretivas quanto preventivas.

II – Definição de ações preventivas, corretivas e emergenciais (personalizados), determinando os responsáveis e prazos para cada ação.

III – Envio de notificações com prazos e pendências.

IV – Geração de relatórios e gráficos gerenciais.

V – Mapeamento preventivo de possíveis desvios ao longo de todo o processo de gestão, o qual inclui a verificação de não conformidades semelhantes.

VI – Análise de desvios e de não conformidades do processo de forma estruturada, abordando todas as etapas de um plano de ação para o tratamento de não conformidades: causa raiz, avaliação de eficácia, ação imediata, análise crítica etc.

VII – Serviço de assessoria de especialistas no ato de inserção no sistema das evidências de atendimento ou não atendimento aos requisitos legais;

VIII – Espaço para anexar documentos (evidências);

Relação da ISO 9001 com o tratamento das Não Conformidades

A ISO 9001 é uma norma que visa exatamente o aperfeiçoamento dos processos uma organização, pois ela promove a padronização do sistema de gestão. Quando a empresa conquista o selo ISO 9001, seus processos se alinham aos requisitos da norma, o que por sua vez impede que seus produtos ou serviços sejam desenvolvidos fora do padrão de qualidade e aquém das expectativas dos clientes.

Além disso, a conquista do selo de qualidade ISO 9001 coloca seu negócio à frente no mercado, conferindo-lhe a tão cobiçada fama pela excelência de seus processos.

Por que tratar uma Não Conformidade?

O desprezo de uma não conformidade pode render consequências graves, que podem vir na forma de penalidades pesadas, tais como multas vultosas. Além disso, uma não conformidade não tratada pode estar em desacordo com as leis ambientais ou até mesmo resultar em acidentes no trabalho. Por isso, as organizações devem se ater ao levantamento de seus riscos.

A empresa que busca a excelência em qualidade é mais lucrativa, polui menos o ambiente, evita acidentes, consegue benefícios no mercado (como seguros mais baratos, já que pode provar às seguradoras que possui planos sólidos de gestão) e se torna exemplo e referência.

Qual é a importância do gerenciamento de riscos?

A gestão de riscos nada mais é do que a identificação, planejamento, administração e controle de todos os recursos de uma empresa (sejam eles materiais, processuais ou humanos), e tem como objetivo auxiliar o processo de tomada de decisão dos gestores, amenizar os efeitos das incertezas e ainda ajudar a vislumbrar oportunidades que possam levar ao crescimento dos negócios.

Compreendendo o gerenciamento de seus riscos

Eis que chega em suas mãos um convite para acampar numa região erma e desconhecida. Bem… Sabendo das possíveis dificuldades do local, você certamente vai pensar em todos os problemas que possam acontecer lá, e por isso vai se preparar para cada um deles.

Então você vai preparar sua mochila. Em sua mochila haverá um fogareiro, estoque de água e comida, repelente contra insetos, pilhas extras para o walkie-talkie, um power bank para o celular (caso haja sinal), lanterna, canivete, curativos, medicamentos, roupas… Cada item a ser levado será baseado em sua suposição de possíveis percalços numa região desconhecida. Quanto mais preparado estiver, menos problemas você terá.

Ora. Tudo aquilo em sua mochila nada mais é do que uma representação de sua cautela, afinal você pode estar sujeito algum tipo de risco ou imprevisto estando numa região erma, não é? Sendo assim, nada mais lógico do que tentar prever tudo o que será necessário para tornar sua aventura inesquecível — positivamente inesquecível, é bom lembrar.

Agora imagine-se no conforto de seu escritório. O ar-condicionado está ligado, há uma copa logo ali para se beber um café fresquinho, os banheiros estão limpos e prontos para uso, sua cadeira é confortável, o celular pode ser usado para pedir comida a qualquer momento… Você precisaria levar sua mochila de acampamento lotada de apetrechos nesse ambiente? Obviamente não. Mas talvez devesse. Só que a mochila não precisará conter fogareiros ou pilhas. É uma mochila diferente, que estará carregando um pacote chamado “gestão de riscos”. 

Qual a realidade de algumas empresas?

Saiba mais sobre o Workshop de Compliance!

Sabe-se que nenhuma empresa está segura, ou seja, os riscos sempre estiveram presentes nas organizações e, de certa forma, fazem parte do jogo — é impossível se ver, totalmente, livre deles.

Uma estratégia de gestão de riscos permite que você identifique os pontos fortes e fracos de sua empresa, as possíveis ameaças e até mesmo as oportunidades (os chamados “riscos positivos”). Além disso, o tratamento de riscos ainda é capaz de gerar outros benefícios, tais como:

  • Agregar valor ao negócio.
  • Proteger o ambiente institucional.
  • Facilitar a tomada de decisões em todos os níveis hierárquicos.
  • Abordar e tratar incertezas (as quais incluem oscilações do mercado).
  • Valorizar o capital humano e intelectual dos colaboradores.
  • Permitir o processo de melhoria contínua em todos os processos da organização.
  • Gerar oportunidades.

O gerenciamento de riscos é composto por seis fases básicas

O gerenciamento de riscos é composto por seis fases básicas
Gestão de Risco: Os Princípios e Diretrizes da ISO 31000

1 – Planejamento: nessa fase, os gestores devem estabelecer o objetivo do gerenciamento dos riscos, detalhando também os departamentos que estarão envolvidos, suas atividades e seus respectivos responsáveis.

2 – Identificação de riscos: esse o momento de definir os principais riscos que podem afetar sua empresa, bem como suas características (e aí entram tanto ameaças quanto oportunidades).

3 – Análise qualitativa de riscos: depois que os riscos são identificados, eles devem ser classificados em grau de exposição e possibilidade de ocorrência. Obviamente os riscos com maior probabilidade de ocorrer e que afetam a empresa mais drasticamente devem ser tratados primeiro.

4 – Análise quantitativa de riscos: é o momento de efetuar uma análise numérica do efeito dos riscos, gerando relatórios com dados sólidos.

5 – Respostas: todo risco deve ser tratado, sem exceção, seja ele negativo ou positivo. A empresa deve elaborar uma resposta para cada um.

6 – Monitoramento: os riscos devem ser monitorados constantemente para que não saiam do controle. Além disso, a fase de monitoramento também vai auxiliar na reclassificação de probabilidade ou intensidade de um risco.

É importantíssimo que em todas as fases todos os funcionários sejam envolvidos na gestão de riscos. Sem uma conscientização geral, a empresa continuará sujeita a riscos e perigos, e alguns deles podem até mesmo colocar em xeque a segurança do negócio.

Posicionamento da Organização

A empresa deve estar sempre aberta à comunicação, ouvindo seus colaboradores com sinceridade, sem pensar pelo lado da punição caso sejam expostas muitas “verdades”.

Caso a empresa não possua experiência em gerenciamento de riscos ou queira se guiar a partir de padrões reconhecidos internacionalmente, pode recorrer à ISO 31000, norma certificadora criada em 2009 cujo objetivo é fornecer um padrão para a implementação de um gerenciamento de riscos em qualquer organização, independentemente de seu tamanho ou segmento.

Dicas para gerenciar seus riscos

Nenhuma empresa precisa se expor a riscos desnecessariamente — e apenas recentemente tem havido uma compreensão mais significativa sobre a importância da gestão de riscos. Medir riscos é essencial e estratégico; ignorar os riscos ou realizar o gerenciamento deles de maneira inadequada pode não apenas afetar seriamente uma organização, como também mitigar seu futuro.

Que tal preparar sua mochila? Conheça mais sobre os serviços e produtos da Área Técnica da Verde Ghaia, especializada em Gestão de Riscos, Análise de Risco Jurídico, Due Diligence, Pareceres, Seguro Ambiental, dentre outros.

Entre em contato conosco! A Verde Ghaia tem sempre uma solução para o seu negócio!

Suporte terá novo canal de atendimento!

Na próxima semana, a Verde Ghaia vai disponibilizar um novo canal de atendimento para o Suporte Técnico do SOGI: a Consultoria Online. Através dela será possível tirar suas dúvidas direto do SOGI através do ícone Ajuda, localizado na lateral direita da tela (veja imagem abaixo).

Suporte terá novo canal de atendimento!

A Consultoria Online já é utilizada pelos Departamentos Jurídico e Consultoria* para esclarecimento de dúvidas. Em breve, outros departamentos da Verde Ghaia também poderão ser contatados por esse canal.

Entenda como funcionará

No ícone Ajuda você vai encontrar as seguintes opções:

Dúvidas Jurídicas | Suporte Técnico | Manuais | Dúvidas frequentes

Em pouco tempo também será possível acompanhar as principais mudanças e novas funcionalidades do SOGI.

Quais as vantagens dessa mudança?

• Agilidade no envio de dúvidas ou problemas técnicos ao sistema;
• Acompanhamento do chamado e do prazo do atendimento do mesmo;
• Visualização do registro dos atendimentos realizados, seus históricos e retornos;
• Acompanhamento do tempo de resposta ao chamado;
• Praticidade na abertura e no envio do chamado;
• Acesso aos manuais atualizados mensalmente;
• Acompanhamento das novidades do SOGI;
• Acesso às principais dúvidas frequentes de forma rápida.

Atenção!

Você receberá os nossos retornos através do e-mail: consultoriaonline@verdeghaia.com.br. Caso queira interagir com o Consultor Técnico, clique na opção Acessar a plataforma e continue com o atendimento dentro do SOGI.

O e-mail não deve ser respondido, uma vez que não é direcionado para nenhum departamento específico, ocasionando assim a falta do retorno do seu atendimento.


OBS.: A Consultoria Online deve ser utilizada pelo navegador Google Chrome.


Esperamos que com esse novo canal, possamos melhorar nosso atendimento e ficar ainda mais perto de você!

Qualquer dúvida, conte com a gente!

*A contratação da Consultoria SGI é independente do SOGI.

Departamento de Suporte
Verde Ghaia.

Como controlar várias unidades através do SOGI?

Muitas franquias do ramo alimentício são um grande sucesso exatamente porque conseguem manter o mesmo padrão de qualidade em todas as suas unidades, não importando o quão distantes elas sejam entre si.

E aí você se pergunta: “Puxa, gerencio uma empresa com três filiais em diferentes Estados e tem sido desafiador centralizar os dados e nossa comunicação. Toda hora temos problemas devido a informações enviesadas. Como o McDonald’s, uma cadeia tão imensa, consegue?”

A resposta é simples: toda empresa que trabalha no regime de filiais e obtém sucesso na coordenação de seus processos adota um sistema de gestão capaz de manter o alinhamento entre as unidades, de modo que todas trabalhem estrategicamente em direção ao mesmo objetivo.

Como e Por que implementar uma Gestão Corporativa?

Missão, visão e valores: A missão, visão e valores da empresa devem se fazer presentes em todas as sedes. Tal alinhamento deve ser feito juntamente ao corpo gerencial, que vai ajudar a difundi-lo por toda a equipe. Nenhuma empresa se torna um sucesso se não estiver fundamentada sobre esses três pilares importantíssimos. (Se quiser saber mais a respeito deles, acesse nosso artigo)

Gestão transparente: Um bom gerenciamento corporativo deve estar relacionado aos princípios da transparência, prestação de contas e integridade. Reforce tais valores na sua empresa. Sempre.

Planejamento estratégico: é a competência da administração que auxilia os gestores a pensar nos caminhos para sua organização no longo prazo. Os itens cruciais do plano estratégico incluem os já citados missão, visão, e valores da empresa, e também incluem objetivos, metas, criação e acompanhamento de planos de ação.

Identificação de metodologias e ferramentas: cada modelo de negócio possui suas peculiaridades, por isso é muito importante identificar as metodologias e ferramentas que mais se adequam aos seus processos. À luz da administração existem várias metodologias muito específicas — PMBOK, scrum, Six Sigma etc — e vale a pena estudar cada uma delas minuciosamente a fim de descobrir qual se encaixa nos moldes de sua empresa.

Tecnologia: Não existe mais pretexto para não usufruir das benesses de nossa tecnologia no ato da implementação de um sistema de gestão empresarial. Hoje contamos com os softwares mais modernos que fazem toda diferença no gerenciamento, principalmente no que diz respeito à centralização de informações (e ao acesso imediato a todas elas).

SOGI: Agilidade para Gestão Corporativa

SOGI: Agilidade para Gestão Corporativa
Como as organizações podem evitar os Riscos, medir, reduzir e mitigá-los?

Um dos softwares mais modernos para unificação de processos entre as diferentes unidades de uma empresa é o Módulo LIRA e Licenças do SOGI, que permite um acesso conjunto das informações de várias unidades de sua empresa e, através dos dados inseridos no software, gera relatórios comparativos entre cada localidade, possibilitando a realização de uma gestão por meio de indicadores.

É um software desenvolvido para proporcionar uma visão clara de todo o sistema de gestão de uma empresa, tanto do ponto de vista operacional quanto gerencial.

O LIRA utiliza as metodologias mais modernas de sistemas de gestão e surge como um substituto das planilhas de Excel. Dentre os benefícios da ferramenta está a possibilidade de compartilhamento de evidências objetivas semelhantes para unidades distintas da empresa, gerando assim maior controle sobre a operação.

O LIRA auxilia a melhorar processos, padronizar procedimentos e reduzir custos. Ele também otimiza a qualidade da informação, uma vez que padroniza a comunicação, evitando ruídos nas conversas entre os setores.

Todas as informações no Módulo LIRA são organizadas e facilmente verificadas através de relatórios com gráficos e estatísticas. E tudo atrelado ao suporte técnico e jurídico de uma equipe especializada e preparada para garantir a eficácia e eficiência do sistema de gestão.

Outras funcionalidades do módulo LIRA

Outras funcionalidades do módulo LIRA - SOGI
Qual a funcionalidade do Módulo LIRA nos seus processos?

1 – O sistema permite inserir e replicar informações de uma unidade para outra da empresa, facilitando os processos de cadastramento, busca e compartilhamento de informações. Também possibilita a emissão de relatórios e gráficos corporativos, e a comparação de dados e indicadores entre as unidades.

2 – Você pode criar quantos usuários desejar e fazer o upload ilimitado de documentos. Também é possível definir responsáveis pela gestão de cada tarefa criada.

3 – É possível gerar cartas de atualização mensais e emitir alertas de atualização da legislação e de pendências no sistema.

4 – Além disso, sua empresa contará com suporte técnico e suporte jurídico, e também de uma assessoria para esclarecimento de dúvidas.

Não há como realizar o gerenciamento de diferentes unidades de uma empresa sem a gestão integrada. Portanto, somente através de uma Gestão Corportativa, é possível garantir a centralização de todas as operações, manter a comunicação saudável e assegurar o cumprimento de todas as diretrizes.

Pense na gestão integrada como um cérebro comandando todas as partes de um corpo: ela é nada menos do que essencial para saúde da sua empresa.

Cuidados que os restaurantes devem ter ao estocar os alimentos

Conhecer e respeitar as normas sobre como estocar os alimentos é fundamental para diminuir os riscos de contaminação, e oferecer um serviço mais qualificado.

Em todo o mundo existe uma preocupação sobre como estocar os alimentos. Isso acontece dentro de restaurante de pequeno porte, até as redes mais importante. E não é para menos: os alimentos demandam muito cuidado!

Além de prejudicar diretamente o sabor do prato, o estoque inadequado também pode desencadear uma série de problemas de saúde, e até mesmo pode se tornar um caso de surto, causando doenças em uma grande sociedade.

Para garantir que isso não aconteça, é preciso ter cuidado e saber exatamente como organizar o estoque de alimentos. Também é importantíssimo que os funcionários envolvidos na produção conheçam normas de manuseio.

Juntas, essas estratégias não excluem completamente o risco, mas com certeza diminuem potencialmente as chances de um problema de saúde ser desencadeado pelo ingrediente. E você? Sabe como deve ser organizado um estoque de alimentos?

Como estocar alimentos? Cuidados essenciais no manuseio e estoque!

Um dos órgãos responsáveis por monitorar o armazenamento de alimentos é a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Para isso, ela faz visitas inspecionais nos locais que demandam essa atenção, e certifica-se pessoalmente sobre o controle de estoque de alimentos.

Higiene pessoal:Um dos principais pontos analisados por um técnico da ANVISA é com relação à higiene pessoal dos funcionários que manuseiam e estocam os alimentos. Coisas como roupas limpas, cabelos presos e protegidos e unhas aparadas são alguns dos pontos essenciais.

Mas, diferentemente do que muita gente pensa, a inspeção não termina aí. Alguns detalhes são analisados, como a existência de cortes profundos ou infeccionados nas mãos de pessoas que manuseiam os alimentos, ou mesmo a existência de casos de diarreia entre os funcionários.

Entenda as diferenças entre os estoques de alimentos

Um restaurante possui alimentos de diferentes classes: secos, orgânicos e congelados. Para cada um dos tipos existem dicas essenciais de como organizar estoque de alimentos. Vejamos:

Alimentos secos: Esses são os alimentos não perecíveis, como arroz, feijão, farinhas, açúcar etc. O estoque de alimentos nesse caso deve se preocupar com a temperatura local, bem como a ausência de roedores e insetos no local e toda a parte de higiene.

Para alimentos pré-cozidos a temperatura deve estar no mínimo em 4 graus, e a duração de estoque não pode extrapolar os 4 dias – depois disso o alimento provavelmente não estará apto para o consumo. Saber como organizar estoque seco de alimentos é essencial!

Alimentos orgânicos: Frutas e legumes precisam ser devidamente higienizados antes de chegarem ao estoque de alimentos. A limpeza deve ser feita com o uso de água sanitária e bicarbonato de sódio, de modo que bactérias sejam eliminadas, evitando assim a contaminação cruzada.

Esses alimentos devem ser mantidos também em temperatura de no mínimo 4ºC, e deve ser feito um controle de estoque de alimentos para verificar a existência de podridão – que atrai moscas e outros parasitas.

Alimentos congelados: Os alimentos congelados não devem ser mantidos em embalagens plásticas. Isso porque esse material libera toxinas que fazem mala saúde. Por isso os recipientes devem ser de vidro, ou sejam embalados em papel manteiga.

Somente pessoas autorizadas podem entrar em frigoríferos e geladeiras, sendo que devem utilizar todos os equipamentos de proteção, e estar devidamente higienizados para circulação.

Doenças que podem ser transmitidas por alimentos

Saber como estocar os alimentos é importantíssimo, pois isso poderá evitar problemas graves. As doenças transmitidas por alimentos ocorrem no mundo inteiro, e por isso a atenção nesse quesito é essencial.

Veja a lista de doenças que podem ser causadas pela existência de bactérias e fungos em alimentos:

  • Intoxicação alimentar;
  • Salmonela;
  • Clostridiose;
  • Botulismo;
  • Shiguella;
  • Colibacilose;
  • Rotavírus.

Algumas delas são bem conhecidas pela população em geral, e apresentam sérios riscos à sociedade. O maior problema, porém, é que não saber como estocar alimentos pode gerar uma situação epidêmica!

Isso porque um restaurante recebe muitas pessoas por dia, e prepara muitos pratos com os mesmos alimentos. Saber como arrumar um estoque é importantíssimo para evitar que o seu estabelecimento se torne o antro de bactérias.

Dicas de armazenamento correto dos alimentos

A Resolução 216 de setembro de 2004 dita uma série de normas a respeito de como estocar alimentos. É o principal documento a ser seguido no que diz respeito a segurança de manuseio e estoque alimentos, evitando assim a propagação de pragas e doenças transmitidas pela alimentação.

Contaminação cruzada

Uma das dicas mais importantes a respeito de como organizar um estoque de alimentos diz respeito ao que chamamos de contaminação cruzada. Isso acontece quando um alimento não contaminado entra em contato com um alimento contaminado.

Por isso, é sempre importante que você tenha espaços separados para alimentos como ovos, frutos do mar e a carne crua, que estão muito mais propensos às contaminações.

Refrigeração

Também não podemos excluir dessa lista a importância da boa refrigeração. Alimentos que são submetidos a uma temperatura inadequada tendem a se tornar o ambiente perfeito para a proliferação de fungos e bactérias.

Geralmente, os refrigeradores devem marcar temperatura menor ou igual a 5ºC. Em alguns casos, no entanto, a exigência é de que os termômetros estejam ainda mais baixos.

Atenção aos fornecedores – e ao cumprimento das regras!

Saber como estocar os alimentos é importantíssimo, bem como saber como organizar estoque de mercadorias. Mas o que dizer sobre o seu fornecedor? Conhecer as condições de armazenamento dele também é importantíssimo!

Se você não é o produtor de sua matéria-prima, então precisa estar de olhos atentos com relação aos cuidados adotados, e sobre como o seu fornecedor ou fornecedores costumam estocar.

É importante compreender que a contaminação por alimentos acontece de forma muito rápida, e é difícil de ser controlada. Pensando nisso, é importante tomar todas as medidas preventivas para que não ocorra o problema.

Saber como deve ser organizado um estoque de alimentos e como eles devem ser manuseados é apenas uma parte. É preciso trabalhar a conscientização dos funcionários, de modo que todos se mantenham atentos às instalações, controle de pragas, higiene do local, cuidados com cada tipo de alimento etc.

Dessa forma, os resultados serão os melhores! Saber como estocar os alimentos é um cuidado com você, sua empresa e seus clientes. E com certeza um diferencial competitivo.

Conheça quais são as 07 principais Ferramentas da qualidade

Entender quais são ferramentas da qualidade envolve compreender detalhes sobre a ISO 9001 e como isso pode ser fundamental para as empresas!

Essas ferramentas consistem em um conjunto de metodologias que foram devidamente reunidas por Kaoru Ishikawa e posteriormente difundido como uma maneira de aprimorar os processos empresariais!

Você sabe de fato quais são essas ferramentas da qualidade?

Desde esse momento, todas essas ferramentas vêm sendo usadas junto aos sistemas de gestão, de forma a contribuir na melhoria contínua dos processos e ainda serviços.

Outro detalhe importante, é que essas ferramentas de qualidade são usadas para que se possa definir, bem como mensurar e também propor boas soluções que possam sanar com os problemas que estejam interferindo no desempenho e anda nos resultados planejados da corporação!

Elas permitem ajudar a manter métodos que sejam elaborados de forma efetiva, promovendo um embasamento de dados e também fatos, o que permite elevar potencialmente a taxa de sucesso acerca dos planos de ação propostos!

Ferramentas da qualidade que podem ser aplicadas à sua Gestão

Confira abaixo quais são as 7 ferramentas de qualidade e quais são os seus diferenciais e características:

  • Fluxograma: permite contribuir e ainda ajudar na identificação de um caminho mais promissor para que o produto ou até mesmo o serviço deverão percorrer em meio aos resultados dos processos da empresa! Isso quer dizer que, essa ferramenta é responsável por revelar as etapas sequencias de toda a metodologia dos processos! – ela ainda recorre ao uso de símbolos que permitem representar os diferentes tipos de operações!
  • Carta de Controle: é importante para revelar as tendências acerca dos pontos de observação durante um determinado período de tempo!  Consiste em um tipo de gráfico que pode ser usado para se manter um bom acompanhamento de processo, podendo ainda determinar a faixa de tolerância, que é determinada por uma linha superior (limite superior de controle) e também uma linha inferior (limite inferior de controle). Inclui ainda uma linha média do processo (a linha central).
  • Diagrama de Ishikawa: conhecido também como “linha de peixe”. Seu objetivo central é justamente identificar quais podem ser a possíveis causas para um determinado problema e ainda quais poderão ser seus efeitos!
  • Folha de Verificação: trata-se de uma lista com itens que deverão ser previamente estabelecidos, que somente serão marcados quando forem de fato realizados ou até mesmo avaliados. Essa ferramenta é basicamente usada    para certificar que os pontos foram cumpridos e até mesmo para avaliar em que patamar eles estão.
  • Histograma: sua finalidade é revelar como será a frequência de distribuição de todos os dados, sendo que isso se consolida por meio de medições periódicas!  Isso permite criar um ótimo panorama acerca dos padrões que forem mais repetitivos durante um determinado período.
  • Diagrama de Dispersão: evidencia o que pode ocorrer com uma variável representada. Na verdade, são representações acerca de duas ou até mesmo mais variáveis, sendo essas organizadas em um gráfico, de forma que uma tenha a função da outra impreterivelmente!
  • Diagrama de Pareto: também é um recurso gráfico que pode ser usado para ajudar a estabelecer uma melhor ordenação, sendo que isso será visualizado, por exemplo, da maior para a menor – isso ficará evidente nas causas relacionadas a um determinado problema ou até mesmo algum outro ponto de inconformidade!

Entenda a norma de qualidade – ISO 9001 e a sua importância para o sucesso de uma empresa

Agora que você já sabe melhor quais são ferramentas da qualidade e quais são atribuições, é preciso buscar mais informações acerca de um ponto de suma importância para as empresas dentro desse contexto – a ISO 9001!

A norma ISO 9001 é uma das regras mais difundidas quando se trata de abordar a busca pela qualidade, e isso tanto é verdade, que muitas empresas acabam adotando as práticas referentes à essa norma!

E a razão disso é justamente porque sua adoção ajuda a transmitir uma maior credibilidade e ainda permite um fortalecimento tanto da imagem como também da reputação da empresa! São diversos aspectos que ajudam a definir a importância dessa norma para as empresas! Confira alguns deles abaixo:

  • Elevação da produtividade: torna-se possível obter um melhor aproveitamento de tempo, capacitação, valorização dos colaboradores e ainda um crescimento financeiro.
  • Mais valor para os produtos e serviços: o selo de qualidade favorece positivamente as relações comerciais e ainda a credibilidade da empresa perante os clientes, fornecedores e, claro, para o mercado!
  • Processos padronizados: essa norma internacional acaba consolidando uma revisão dos processos internos, de forma que isso ajuda a torna-los padronizados. Isso acaba reduzindo potencialmente o retrabalho, eleva a qualidade e permite maior satisfação dos consumidores.

Diante de todas as vantagens expostas acima, fica evidente que a aplicação da norma ISO 9001 em uma empresa é uma medida realmente poderosa e assertiva, podendo abrir novos caminhos para um futuro de sucesso e novas perspectivas!

Entenda como a Consultoria Online poderá ser uma aliada na busca por melhorias contínuas!

Entenda como a Consultoria Online poderá ser uma aliada na busca por melhorias contínuas!
Como elaborar a Política da Qualidade – ISO 9001:2015

A Consultoria Online poderá ser considerada a maior aliada para empresas que estejam dispostas a colocar em prática todos os pontos que foram abordados no decorrer desse conteúdo!

Isso porque, seu papel é basicamente, determinar quais as estratégias mais qualitativas e que poderão ser abordadas para que se possa seguir com uma analise dos processos ideal e de fato eficiente!

Além disso, a Consultoria Online poderá agregar maiores orientações acerca de todos os critérios da norma internacional ISO 9001 e garantir que a empresa tenha a oportunidade de fazer mudanças contínuas focando em seu sucesso e novos horizontes para o futuro!

A Consultoria Online atuará, portanto, de forma a contribuir com a implementação de Sistema de Gestão de Qualidade, considerando que todo esse processo seja ainda aderente às normas!

Além disso, essa é a melhor forma da empresa poder contar com profissionais que sejam de fato capacitados e qualificados, e que ainda possuam uma vasta experiência prática em empresas nos mais variados setores e segmentos.

Agora que você já sabe quais são ferramentas da qualidade e as demais informações pertinentes a esse assunto, considere todas as dicas e dados abordados nesse conteúdo para garantir que a sua empresa tenha melhores resultados!

Blog SOGI